Apenas um palhaço

Tudo que quero na vida é ser palhaço

Por Tom Fernandes

Sim. Você me leu. Tudo o que quero na vida é ser palhaço. Não. Não estou dizendo isso porque me cansei de ‘ser feito de palhaço’. Não, nada disso. Não quero ser palhaço porque tudo o que acontece na política brasileira é enojante. Não quero ser palhaço porque grande parcela das notícias sobre a igreja cristã evangélica brasileira me deixa indignado. Muito menos quero ser palhaço pra compartilhar uma suposta unção do riso. Não. Nada disso.

Se quero ser palhaço profissional? Daqueles do nariz vermelho e pasta d’água na cara? Daqueles que soltam água pelos olhos e tomam tombos quixotescos? Daqueles que explodem e saem chamuscados, mas voltam limpinhos dois minutos depois? Não sei, mas talvez sim. Ou melhor, sim. Desses mesmos. Tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Tudo bem, você é mesmo engraçadinho. Devia até ser da turma do Stand Up Comedy. Faltava você no CQC. Só mesmo o Tom pra ver graça numa situação dessas. Tom, conta aquela história do dia que o muro caiu quando você encostou nele? O Tom e suas tiradas…

Todas as frases acima não me motivaram a querer ser palhaço. São apenas um apanhado do que ouço e leio de amigos e familiares todos os dias. Até um certo tio, meu antagonista intelectual por afinidade, amor e carinho, salienta meu humor, segundo ele, de péssimo gosto (o que, pra mim, já é um elogio e tanto). De bonachão a parlapatão, todo adjetivo palhacístico já recebi. Mas não são os comentários dos que me cercam a minha motivação pra dizer que tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Já assisti muito a George Savalla, saudoso Carequinha, ao magnífico Waldemar Seyssel, o Arrelia, ao Mazzaropi, aos bons tempos dos Saltimbancos Trapalhões. Já vi os palhaços do Circo Vostok e também do Circo Moscow. Por vídeos, vi os palhaços voadores do Cirque du Soleil. Sempre rio e choro com Chaplin. Já vi rapazes vestidos de palhaço vendendo balinhas no semáforo e dentro de ônibus, em troca de uns trocos. Já vi, e até usei, nariz de palhaço em manifestações estudantis. Vi por toda a infância o Bozo perguntando se eu estava feliz. Vi e aprendi muito com os famosos palhaços europeus. Sim, esses palhaços têm algo a ver com o fato de que tudo o que quero na vida é ser palhaço.

Mas nas palavras do palhaço Richard Righetti, o palhaço é o derrotado. Diz ele: “Se, no mundo do circo, entra o cara e joga os malabares; o palhaço é aquele que entra e não consegue jogar. O palhaço vem mostrar não suas habilidades, mas suas inabilidades. Ele mostra não o herói, o astro, mas revela o público, aquele que nada pode. Quem assiste, olha e pensa: ‘O palhaço sou eu’”. Por essa definição do Righetti, tudo o que mais quero na vida é ser palhaço.

Todavia, foi assistindo a apresentações e entrevistas de Avner, the Eccentric, que achei a idéia perfeita. Foi lendo sobre ele que me vi revelado. Diz Avner, em seus Princípios do Palhaço: “O palhaço entra no palco para fazer um trabalho, não para provocar risos. Se houver risos, eles serão interrupções com as quais deverá lidar”. Avner, em entrevista ao programa Starte, revela a paixão e a obstinação do palhaço pelo que acredita ser possível: um mundo melhor. Em sua suposta derrota, ele vence ao proclamar um mundo melhor.

E é isso que me chama, é isso que me atrai. É isso que me faz dizer que tudo o que quero na vida é ser palhaço.

A derrota do palhaço é minha razão de viver. A vergonha carregada nos ombros por ser diferente é a minha sina. A derrota do palhaço é a essência do Evangelho em que acredito. A derrota do palhaço é olhar os donos da religião, é olhar os donos do poder, é olhar o sistema, é olhar o mundo e se ver inábil. É ver o sucesso de tantos neste picadeiro e tropeçar nos desengonçados pés.

A vitória do palhaço aparece, segundos depois, ao ouvir, ao sentir a graça, seja na criança que ri inocente, seja no Deus que não se impressiona com os sincronismos dos malabares, com a coragem dos que domam leões (ou que rugem como leões), que não se espanta com flores e coelhos e lenços suados saídos das cartolas mágicas, mas que ri (creio eu, ri de rolar) ao ver o palhaço se estrebuchar de pernas pro ar. Deus se comove, se ri, se enamora da derrota do palhaço porque talvez (quem sabe) Ele mesmo veja a si no palhaço derrotado. Ele (talvez, quem sabe) vê a Seu filho, um dia também palhaço entre os “donos do circo de seu povo” e entre os romanos, donos da política do “pão e do circo”.

Quem, senão o palhaço, vai e se declara e diz que ama a quem lhe ofendeu há pouco com bofetadas escandalosas? Quem, senão o palhaço, tem condições de rir de si mesmo depois da tragédia pessoal. Ou, nas palavras do Millor, “é preciso muita falta de dignidade para ser um homem de bem”.

Se viver na contramão deste mundo é o caminho proposto por Cristo. Se dar a outra face à mão que esbofeteia é a atitude proposta. Se as irrequietas crianças são o exemplo máximo do que se espera do candidato ao reino. Se para os fracos, doentes e pobres são dadas as bem-aventuranças. Por fim, se tudo o que minha alma deseja é se achegar a Deus, se tudo o que quero é viver à imitação de Cristo, tudo o que posso querer nesta vida é ser palhaço.

22 thoughts on “Apenas um palhaço”

  1. Interessante essa “palhaçada” toda (risos)!

    Confesso que quando li o título: “Tudo que quero na vida é ser palhaço” imaginei que fosse falar algo sobre entretenimentos gospel, ou quem sabe sobre animadores de púlpito, ou ainda pregadores-artistas comediantes, ou talvez piadas “evangélicas”, etc. E, antes de dar início à leitura, ainda me veio o pensamento de que o Tom estava se tornando mais um dos que chamam atenção para si mesmo e não para Cristo. Que palhaçada minha pensar isso do meu amigo Tom! (risos)

    Não sei exatamente em qual espírito foi escrito o texto, e se há algo a mais nas entrelinhas, porém enquanto lia, o versículo que me vinha ao coração era este: “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.” Tiago 1:27

    O evangelho verdadeiramente só é boas novas se vem acompanhado de ações de graças, conforme Tiago 2:15-16. Sem estas, qualquer testemunho não passará de péssimas notícias a quem nos assiste!

    Abraços!

    Paz!

  2. Tom!

    Lindo esse seu texto! Sejamos palhaços pra esse mundo tenebroso!
    Ah, sim, tenho que dizer, seu estilo se apurou e está muito elegante, cristalino e lindo!
    Deus o abençoe sempre!
    Dou glórias a Deus por ter você como amigo!

    Abç

  3. Não estás só neste “picadeiro”…
    Que os “verdadeiros” artistas do Circo, possam um dia ver com os olhos do espírito e entender a que ponto chegamos e pra onde este “espetáculo” está sendo conduzido. Quem sabe a tempo de evitar o que já aconteceu na Europa e EUA, a fim de evitar o mesmo trágico fim(?) da Igreja Evangélica Brasileira.
    Sou, contigo, alguém que deseja ser um “saltimbanco” neste picadeiro.
    Deus continue iluminando a tua mente!

  4. Caramba… Nunca tinha entrado no seu blog, nunca tinha nem clicado na sua @. Mas hoje, não sei, resolvi clicar e resolvi ler… Faz tempo que não clico nas urls dos profiles de twitter. E aí me deparo com isso!
    Estou atônita. Estou chocada. Estou mais tranquila. Era tudo que eu precisava ler nesse exato instante.

  5. olá…parabéns pelo seu texto, creio que se existissem mais pessoas com esse pensamento estaríamos proclamando o verdadeiro evangelho de Cristo e não essas leis de homens que se sentem os donos da religião, vai nessa força e conte comigo para o q precisar…valewww
    Deus te abençoe

  6. No dia que eu tiver palavras tão boas pra expressar pensamentos e sentimentos de forma tão singular e precisa, talvez eu esteja à altura pra deixar um comentário, mas da forma mais simples que posso, digo que GOSTEI muito e fui de fato TOCADA pelas palavras deste texto.

  7. Lembrei de um trecho que gosto muito, do Henri Nouwen:

    “Num sermão, dirigido a seminaristas, Nouwen afirmara que o circo
    seria depressivo se as pessoas se fixassem apenas nos artistas, cujo
    heroísmo é difícil de imitar. E assevera: “O palhaço, entretanto,
    salva-nos: ele é o nosso homem, porque falha, tal como nós, erra, como
    nós, dizendo-nos que a falta de virtuosismo também é aceitável. E no
    seu rosto branco reconhecemo-nos a nós mesmos, nas nossas tarefas
    diárias, que tantas vezes são um fracasso. […] Cristo é o palhaço
    que entrou no nosso circo e nos fez rir, porque veio dizer-nos que nós
    não somos o papel que desempenhamos. Ele veio para os que choram, para
    os perseguidos, para os fracos, para os famintos, para os pobres. Quem
    é chamado para ser pastor é chamado para ser palhaço.”

  8. Vim pra esse texto por conta de uma resposta sua em… algum texto sobre o que vc aprendeu com os pastores da TV… e ia dizer que meu irmão (irmao mesmo, não de fé) anda ficando meio ácido; mas meu coração ficou doce com seu texto!!
    Grande beijo !!

  9. Bravo!!
    Estava eu pensando em mais uma coisa que pudesse postar no face book que fizesse meus amigos pensarem a vida, quando vi seu blog em uma pesquisa que fazia… Bravo!
    Sou palhaço e meu amor pela nobre arte nasceu de eu encontro com minha total inabilidade de viver sem Deus. Me emocionei dever em suas lindas palavras o desejo de ser quem és, de ser livre de fato! E só um palhaço tem a coragem de nadar contra a maré da perfeita imperfeição imposta pelo olhar do outro, ele é o que é, e isso lhe basta…A graça lhe basta!

    Caro amigo a frase que arremata a trama do filme O palhaço, nos ajuda a entender que a liberdade verdadeira é aquela que Deus nos deu em seu único filho e essa liberdade é a certeza de que :” O RATO COME QUEIJO,O GATO BEBE LEITE E EU…SOU UM PALHAÇO”

  10. A verdade

    Quando o seu querer,
    Não for mais forte que o amor.
    Quando ser o primeiro,
    Já não for o desejo do seu coração.
    E as luzes e os palcos,
    Forem apenas um caminho para estender as mãos…
    Aí serás como vento que seca.
    Como bengala que ampara.
    Uma nuvem de chuva pra regar.
    Suas grandes pegadas marcarão.
    E o colorido de uma vida ridícula brotará.

    Quando uma lágrima,
    Não for mais um sinal de tristeza.
    Quando um balde d água,
    Não mais te esfriar.
    E quando dar a outra face a torta,
    Não for um sacrificar…
    Aí serás…O grande momento de revelar ao mundo.
    A vil mentira que alguém inventou.
    O palhaço a mulher não roubou,
    Por seu jeito puro ela se encantou.
    E com luz, o que ela tinha,
    Ele revelou.

    Rogério Rodrigues 19/01/09

  11. Cáspite, esse texto é um daquele que eu gostaria de ter escrito, como diria um amigo nosso. Um segredo, sou descendente de circenses, meu avó tocava violino e fazia mágicas e meu pai foi quase tudo, no circo, e lá havia uma regra: todos são palhaços. Acho que antes de organizar o meu, vamos ter que nos concentrar no seu livro, se não me engano.

  12. Não fosse essa tua palhaçada em traduzir a sensibilidade em que consegues olhar a vida em textos, que nos envolvem como se cotidianos nos fossem, não te serias escritor de alma, espírito, coração, corpo e sentidos. Seria cômico se não fosse verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *