Achados e colados

Deus foi almoçar, de Ferréz

Deus foi almoçar

Este ano resolvi voltar a postar minhas opiniões sobre os livros que leio. Depois de uma folga no começo do ano, este é o primeiro livro que li em 2014.

Acompanho a escrita do Ferréz há mais de dez anos, artigos, opiniões e contos sempre agudos, pontuando a dura realidade brasileira. Não preciso falar de sua carreira como articulista, como escritor da dita literatura marginal etc.

O que preciso falar é que Ferréz me surpreendeu neste livro. Ele foi muito além do que eu, leitor que já o conhecia, poderia esperar.

A história de Calixto, num caleidoscópio narrativo, transcorre entrecortada ao longo dos capítulos sempre sintéticos, sempre curtos, sempre econômicos.

Se a luta pela sobrevivência existencial do protagonista nos angustia, se seus breves flertes com um amor redentor e se suas incursões pela crueza do amor mal pago nos mostram que há um coração em busca de sentido, Ferréz já sentencia: “Se a felicidade é um ponto de vista, Calixto estava cego”.

Em tempos que a literatura anda cada vez adocicada, é bom ler algo tão visceral, cru e com cheiro de rua, não de “relvas encantadas por ondem passeiam os que amam”. Não é minha intenção resenhar o livro, portanto termino com a indicação de que você o leia o mais rápido possível.

Serviço:

Deus foi almoçar (240 páginas)

Ferréz

Ed. Planeta

R$ 25,00 (média)

1 thought on “Deus foi almoçar, de Ferréz”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *